Amigo que matou estudante de direito por dívida é condenado a 16 anos de prisão

Fonte:

Vanderson Daniel Martins dos Santos, de 22 anos, foi condenado no final da tarde da última sexta-feira (29) a 16 anos de prisão, em regime inicialmente fechado, pelo homicídio duplamente qualificado de Pedro Victor de Almeida Peroso. A sentença é do juiz Murilo Mesquita, após júri popular. Vanderson e Pedro eram amigos, e o suspeito já estava preso preventivamente. O crime aconteceu em dia 19 de outubro de 2018, por volta das 03h44 da madrugada, em Várzea Grande.

De acordo com o processo judicial, a pena prevista para homicídio qualificado, de 12 a 30 anos, foi determinada em 16 anos pelo juiz, que considerou o motivo torpe e duas circunstâncias desfavoráveis capazes de exasperar a pena-base: atenuante da confissão espontânea e a agravante da utilização de recurso que dificultou a defesa da vítima. O réu cumprirá a pena em regime inicialmente fechado.

Durante o julgamento, a mãe de Pedro Victor informou que ele era filho único, e que, após o fato, precisa trabalhar somente medicada por calmantes. Ela também disse que pensou em suicídio, mas não o fez por convicções religiosas. Não há provas de que a vítima tenha contribuído para o crime.

Matéria continua após a publicidade

O caso

Vanderson Daniel Martins dos Santos, 2 anos, conhecido como Vandeco, confessou ter Pedro a facadas na madrugada do dia 19 de outubro, no bairro Princesa do Sol, em Várzea Grande. A vítima era amiga do acusado, que foi preso junto com sua namorada, Nathaly Alanes Barbosa dos Santos Silva, 19 anos, pelo homicídio.

Na madrugada dos fatos, a vítima, que era estudante de direito e motorista de aplicativo, estava na casa dos pais, quando recebeu uma ligação por volta da 1h30, e saiu.

A namorada do condenado contou à Polícia, na ocasião das investigações, que na noite do dia 18 de outubro foi para casa de Vanderson com o filho de 11 meses, e dormiu na casa dele, local onde também funciona lava jato do suspeito. Ela acrescentou ainda que o telefone do namorado começou a tocar por volta da meia noite, mas ele não atendeu. No entanto, disse que Vanderson saiu de casa por volta de 01h30, em uma motocicleta, trajando uma camiseta branca com desenhos na frente e uma bermuda jeans e calçava chinelos, mas não falou onde iria.

Pouco antes das 4 horas da madrugada, Vanderson chegou à casa dele, pilotando a mesma motocicleta que tinha saído, mas estava com as roupas ensanguentadas e com a faca suja de sangue. Para a namorada, ele disse que teria matado Pedro Victor. A mulher então sugeriu que ele se escondesse na casa da irmã dele.

O acusado e sua namorada foram presos em cumprimento de mandados de prisão temporária (30 dias) e buscas cumpridos no bairro da Manga, em Várzea Grande, no dia 1 de novembro de 2018. Uma denúncia na DHPP relatou que a moça estava com a namorado no local do crime e em seu celular havia fotografia dele com a faca ensanguentada.No dia do crime, a vítima ainda conseguiu correr por aproximadamente 50 metros até a casa de um morador, que abriu a porta após escutar pedidos de socorro. Uma unidade do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi acionada, mas Pedro não resistiu aos ferimentos e foi a óbito.

No veículo da vítima, encontrado há alguns metros do local onde ele pediu ajuda, foram encontradas latas de cerveja. Além disto, havia uma pedra, que foi atirada no vidro do lado do motorista. Havia manchas de sangue dentro do carro, o que também contribui para os indícios que a briga teria começado por lá.

Fonte: Olhar Direto