UFMT desenvolve curativo de queimadura com borracha natural, babosa e própolis

Fonte:

Pesquisa da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), para o desenvolvimento de curativo para queimaduras à base de borracha natural, babosa e própolis, recebe financiamento da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Mato Grosso (Fapemat). O projeto encontra-se em fase de desenvolvimento experimental, mas tem potencial de melhorar e diminuir os custos do tratamento.

Queimaduras que precisam de acompanhamento médico são, geralmente, ferimentos com uma extensão e profundidade considerável, o que as torna vulneráveis a infecções e exige uma manutenção mais trabalhosa que um corte, por exemplo, que tem a vantagem de poder ser ponteado para auxiliar na recuperação.

Assim, o tratamento desses ferimentos deve incluir três funções: controlar o crescimento bacteriano, remover o tecido necrosado e estimular o crescimento do novo tecido. Atualmente isso é feito em etapas separadas, o que, de acordo com uma das responsáveis pelo projeto, a pesquisadora de pós-doutorado Loyane Almeida, limita a eficácia do tratamento.

Matéria continua após a publicidade

“Ao produzir as membranas de borracha natural que estudamos podemos acrescentar diferentes compostos medicinais, como os presentes na babosa e no própolis, que irão tratar dos ferimentos de forma mais ampla, contribuindo para diminuir a frequência na troca de curativos do paciente”, explicou.

Pode parecer receita caseira, mas a babosa (também conhecida como aloe vera) e o própolis são panaceias com um forte lastro científico e de saberes populares.

Na casa da minha sogra, por exemplo, que fica de frente para um posto de saúde, tem uma babosa bem a vista no jardim, e não são poucos os pacientes que passam e pedem um pedaço para tratar a queimadura de um parente ou vizinho (e são prontamente atendidos, é claro).

Isso porque a babosa é um fitoterápico com ação anti-inflamatórias, imunomoduladoras, que favorece o crescimento de vasos sanguíneos e restauração da pele.

“A própolis, por sua vez, têm capacidade antioxidante, anti-inflamatória, analgésica, antibacteriana e antifúngica. Além disso, no processo de cicatrização, ela tem se indicado promissora devido à capacidade de aumentar a proliferação, ativação e crescimento das células da pele e estimular a expressão de colágeno”, afirmou, com base em uma pesquisa anterior realizada pelo grupo.

Além disso, a própria borracha natural é capaz de estimular células e fatores específicos envolvidos na cicatrização, como a angiogênese, processo de formação de novos vasos sanguíneos para nutrição e reparo da região da queimadura.

O projeto está em fase de desenvolvimento experimental na UFMT, Câmpus do Araguaia. “A proposta visa unir o melhor dos três, borracha natural, própolis e babosa. Primeiramente integrando conhecimentos físico-químicos e, então, entendendo quais os efeitos imunológicos e fisiopatológicos da membrana desenvolvida”, disse a pesquisadora, e completou: “Mais estudos ainda são necessários para determinar eficácia e segurança, antes da aplicação clínica em humanos e é por isso que a aprovação e fomento pela FAPEMAT será tão importante”.

A pesquisa é supervisionada pela professora Paula Cristina Souza Souto, da UFMT Câmpus do Araguaia, que também é responsável pelo projeto.

Fonte: Estadão de MT