Padres de Cáceres são sequestrados, espancados e torturados

Fonte:

Quatro padres e uma mulher foram sequestrados, espancados e torturados na cidade de Cáceres (217 km de Cuiabá) na última sexta-feira (10). A Polícia conseguiu libertá-los por volta das 19h40 no bairro ‘Massa Barro’. As vítimas estavam muito feridas. Quatro suspeitos foram presos e um conseguiu fugir. Um dos padres sofria de mal de parkinson.

De acordo com informações do 6º Batalhão da Polícia Militar, dois veículos, um Toro e um Argo, romperam duas barreiras policiais na BR-174, dando sinais de que algo errado estava acontecendo. Os policiais, então, fizeram o acompanhamento. Um dos carros seguiu pela mata, e em outro os suspeitos perderam o controle e acabaram capotando. O condutor não foi localizado.

No entanto, os policiais continuaram as buscas pelo local, até que chegaram ao seminário, onde ouviram gritos e choros. Eles entraram e renderam três suspeitos. Um deles tentou fugir pelos fundos, mas foi detido. Na abordagem pessoal, foram encontrados um simulacro de pistola, duas uma munição de calibre 380 e um estojo deflagrado.

Matéria continua após a publicidade

No local havia, ainda, mais uma residência, onde outro indivíduo fazia duas pessoas reféns. Uma das vítimas tem mal de Parkinson e estava sob a mira de uma arma. O suspeito armado conseguiu fugir pelos fundos e entrou em uma região de mata fechada.

As vítimas relataram que foram espancadas e torturadas, tiveram que passar os dados bancários e senhas de celular, e que não poderiam falar o que aconteceu para a polícia. Todos possuem inúmeras marcas de espancamento e estavam em estado de choque quando a polícia chegou.

O homem que conseguiu fugir seria de Pontes e Lacerda. O veículo argo foi guinchado. Os suspeitos foram conduzidos com uso de algemas. Após busca, os policiais ainda conseguiram localizar o motorista, que havia fugido pela mata, e ele também foi detido.

Os padres torturados foram Evandro Stefanello, coordenador da Paróquia São Luiz, em Cáceres, padre José da Silva e padre Marcos Campos.

Fonte: Olhar Direto