Motorista de aplicativo é sequestrado e morto dentro de hotel

Fonte:

Desaparecido desde segunda-feira (27), o motorista de aplicativo Gleidison Leite Sampaio, de 39 anos, foi encontrado morto, amarrado pelos pés e mãos, amordaçado e com sinais de tortura. O crime brutal ocorreu em Santo Antonio de Leverger (34 km ao Sul de Cuiabá).

O caso será investigado como sequestro seguido de latrocínio (roubo seguido de morte). A Polícia também vai investigar por que os bandidos levaram um pedaço da orelha da vítima.
O corpo estava dentro do banheiro de um hotel, na comunidade de Distrito do Olho D’Água, às margens da BR-364, no acesso a Leverger.

A Polícia suspeita que quem matou Gleidison levou uma pedaço da orelha para provar que ele estava morto, ou por pura maldade. O corpo de Gleidison, segundo a Polícia Militar, foi descoberto por uma funcionária do hotel, após o meio-dia de terça-feira (28).

Matéria continua após a publicidade

O homem foi visto, pela última, na segunda-feira, na cidade de Primavera (231 km ao Sul de Cuiabá), onde ele morava e trabalhava.

Segundo a esposa contou à PM, por volta das 16h40 de segunda-feira, ela estava com o marido quando ele recebeu um chamado para fazer uma corrida, mas que não retornou para casa e que parou de atender ao telefone.

A HISTÓRIA – Uma funcionária do hotel acionou a Polícia Militar quando abriu a porta do apartamento com uma chave reserva e encontrou o corpo de Gleidison amordaçado, com as mãos e pés amarrados, sinais de tortura e parte da orelha cortada.

A Polícia Militar conta que foi acioanda por volta das 14h de terça-feira, quando uma pessoa informou ter encontrado um corpo dentro do banheiro do quarto do hotel, na região do Distrito do Olho D’Água.

Uma funcionária contou aos policiais militares que três homens e uma mulher chegaram ao hotel para se hospedar, aos dois minutos de terça-feira.

Logo em seguida, no entanto, cerca de três a quatro minutos depois, eles deixaram o local, alegando que iriam buscar um amigo que estaria com problemas na moto dele.

Depois de dez minutos, a mulher e os três homens voltaram para o hotel trazendo um homem. Por volta da 00h47, as quatro pessoas voltaram a sair do hotel, deixando uma no quarto e não voltaram mais.

O que ficou no quarto era o motorista de aplicativo que, mais tarde, foi identificado como Gleidison. A funcionária contou à Polícia que ficou curiosa pelo fato de essa pessoa não ter saído para o café da manhã e, por volta das 12 horas, intrigada, ela  resolveu ir até o quarto. Ao abri-lo, usando a chave reserva, encontrou a vítima no banheiro.

A funcionária do hotel conta que Gleidison  já estava sem vida, com as mãos e pés amarrados, com uma toalha amarrada no rosto, como uma mordaça, sua orelha estava cortada e havia muito sangue no local.

Os quatro bandidos, três homens, um deles em liberdade condicional com uso de tornozeleira eletrônica, e uma mulher, foram flagrados pelas câmeras de segurança do local.  O carro roubado da vítima, um Renault Duster branco, com placa FEB-3470, não foi localizado.

O corpo de Gleidison foi liberado por policiais da Delegcia Municipal de Santo Antonio de Leverger para o Instituto Médico Legal (IML), mas foi transladado para a cidade de Primavera do Leste, para a família sepultar.

Fonte: Diário de Cuiabá