Moradores desconfiam de pesquisadores da Covid e chamam a PM

Fonte:

A desinformação resultou na prisão de duas pessoas na manhã desta quinta (21), no bairro CPA I, em Cuiabá. Moradores chamaram a Polícia Militar, após a dupla bater nas portas das casas para realizar testes do novo coronavírus (Covid-19). Os pesquisadores foram levados ao Cisc Verdão para prestar esclarecimentos.

Segundo relatos, os pesquisadores solicitaram aos moradores que permitissem a realização do teste de sangue. “Eles pediram meu dedo para furar. Tiraram de dentro de uma maletinha agulha descartável, com seringa e tudo. Perguntei se precisavam entrar em casa e disseram que sim, pois precisariam de alguma coisa para apoiar o material deles”, disse uma moradora.

Aos moradores, os pesquisadores afirmam representar a empresa JC Pesquisas, contratada pelo Ibope, para a realização da pesquisa nacional. O estudo, financiado pelo Ministério da Saúde, coordenado pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel), do Rio Grande do Sul, será realizado em três etapas e prevê testar até 100 mil pessoas em 133 municípios. A expectativa é testar cerca de 33 mil brasileiros em cada etapa, sendo 250 pessoas em cada município selecionado.

Matéria continua após a publicidade

De acordo com o boletim de ocorrências, a dupla afirmou que estava realizando os testes e apresentou um ofício da UFPel e crachá do Ibope. No Cisc, a supervisora dos prestadores de serviço se apresentou.

Confusão similar ocorreu em Barra do Garças e em Rondonópolis, quando pesquisadores foram presos. Em outros estados, moradores e policiais chegaram a agredir os realizadores da pesquisa. O Ministério da Saúde já afirmou que enviou comunicado aos secretários estaduais. Em Mato Grosso, a secretaria de Saúde informou que teve conhecimento da referida pesquisa no dia 14, após o início da ação no Estado.

“As pesquisas ocorrem conforme o estipulado pelo Ministério da Saúde e as principais informações estão disponíveis em materiais do Governo Federal. Mais informação a respeito, deverão ser obtidas junto ao Ministério da Saúde, que é quem realiza a ação e tem o dever de informar aos estados e municípios”, diz trecho da nota da secretaria.

Prisões em Barra do Garças e outras partes do Brasil

Em Mato Grosso, 17 pessoas que foram contratadas pela empresa para trabalhar no estudo foram presas em Barra do Garças (513 km de Cuiabá) e Rondonópolis (216 km da Capital).

A secretaria municipal de Saúde de Barra do Garças disse que prefeitura não foi notificada da pesquisa e diante de denúncias de moradores informou o fato à autoridade policial para as providências cabíveis.

Em São Paulo, sites de notícias também publicaram que as equipes de pesquisa estão sendo detidas e impedidas de trabalhar por governos municipais, outras, que essas pessoas estariam sendo agredidas nas ruas.

Fonte: RD News