Mesmo sem data definida, shoppings de Cuiabá já se preparam para reabertura

Fonte:

Mesmo com uma determinação judicial para que a Prefeitura de Cuiabá se manifestasse a respeito da reabertura dos shoppings centers, nenhuma data foi estabelecida até o momento. O prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) estaria estudando novas medidas para saírem em decreto nos próximos dias. Fechados desde o dia 20 de março, lojistas e empresas que administram os shoppings têm pressionado o Executivo para a liberação do funcionamento.

Os estabelecimentos já estão se preparando para a retomada das atividades. Um dos shoppings anunciou que já fez mudanças estruturais como a troca das portas de acesso, que passam a ser manuais para aumentar o tempo de troca de ar interno e externo. Além disso, a maior parte dos lojistas já está tendo treinamento de higienização das lojas e de como deve ser realizado o atendimento.

Quando ocorrer a liberação para a abertura dos centros comerciais, os serviços devem ser retomados gradualmente. As praças de alimentação devem seguir fechadas e somente 50% dos banheiros devem estar em funcionamento. Restaurantes, cafeterias e sorveterias só deverão operar para delivery ou pague e leve, não podendo atender no local.

Matéria continua após a publicidade

As mudanças seguem um protocolo de medidas que foi recentemente divulgado pela Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce), responsável legal por impetrar na justiça um mandado de segurança coletivo solicitando a abertura das lojas em Cuiabá. Na ação, a Abrasce argumenta que a Prefeitura de Cuiabá feriu o princípio da livre iniciativa e da livre concorrência econômica ao impedir a atuação dos lojistas de shopping enquanto permite que o comércio de rua funcione normalmente.

De acordo com o ‘Protocolo de Operação após Reabertura dos Shoppings’, os shoppings ainda deverão suspender serviços como vallet, fraldários, empréstimo de carrinhos, scooter e carregadores. Além disso, a capacidade do shopping será reduzida para 50% e apenas pessoas com máscara terão o acesso permitido. Caso o limite seja atingido, uma fila será organizada do lado de fora, respeitando as normas de distanciamento.

Medidas não efetivas

Mesmo tratando-se de um vírus, a associação ainda recomenda que os shoppings apliquem bactericidas em tapetes. Além dessa, chama atenção a medida de só ser ser permitido acesso ao shopping após verificação da temperatura corporal. A Organização Mundial da Saúde (OMS) não considera essa uma precaução recomendada no combate à propagação do coronavírus, especialmente em espaços fechados como shoppings. Isso porque indivíduos infectados podem estar na fase de incubação da doença e não apresentarem sintomas, como a febre — mesmo já sendo capazes de transmitir o vírus.

Fonte: PNB Online