Ganha Tempo Ipiranga será inaugurado dia 4 de julho

Fonte:

A unidade do Ganha Tempo Ipiranga será inaugurada no dia 304 de julho, às 8h30. O local está fechado desde o dia 29 de março para reforma. Durante esta semana a equipe de atendentes foi treinada e, desde o dia 28 de junho, até o dia 02 de julho, a obra está na fase final e passa por um período de testes nos equipamentos com atendimento à população.

Neste período, a unidade ficará aberta das 8h às 18h, com alguns serviços disponíveis ao público em geral. Depois disso, o local será fechado novamente para análise e possíveis melhorias a serem realizadas antes da inauguração oficial.

A expectativa é que 1.105 atendimentos ocorram diariamente no Ganha Tempo Ipiranga, totalizando 22.100 atendimentos mensais. São 16 parceiros que oferecem 101 serviços. Em 2017, a unidade prestou mais de 800 mil atendimentos.

Matéria continua após a publicidade

Revitalização

O projeto de revitalização do espaço teve como base o Poupatempo da Lapa, em São Paulo, que recuperou a fachada original do imóvel. Dia 14 de março, uma equipe técnica chefiada pela secretária da Setas, Monica Camolezi, visitou a capital paulista com o objetivo de conhecer a estrutura e tecnologia utilizada para aplicar na revitalização da unidade do Ganha Tempo Ipiranga, prédio tombado pelo patrimônio histórico, que enfrentava inúmeros problemas em decorrência do desgaste temporal da estrutura.

Após a reforma, a estrutura histórica do Ganha Tempo Ipiranga foi preservada de acordo com as características espaciais, bem como os valores atribuídos ao imóvel no processo de tombamento. “A população receberá um ambiente mais confortável, arejado e com maior salubridade aos usuários que utilizarão os serviços do local diariamente”, comemora a secretária.

A obra está na fase final e passa por um período de testes

Principais mudanças

A estrutura interna dos banheiros e o piso foram refeitos. A fachada passou por recuperação e uma nova pintura. As paredes e portas foram restauradas e mantiveram o formato original. “O que foi perdido, por não ter mais condições de uso, será substituído pelo mesmo tipo de material usado na construção original”, explicou o engenheiro responsável pela obra, Ciro Lopes Stigliano.

Fonte: Da Redação