Casos crescem e Várzea Grande pode decretar ‘lockdown’

Fonte:

Mesmo com um número reduzido de casos em comparação com outras cidades do mesmo porte e população que Várzea Grande, a Prefeitura emitiu novo decreto reduzindo ainda mais o tempo de funcionamento da totalidade das empresas e comércios.

O Comitê de Enfrentamento ao novo coronavírus (Covid-19) e a Secretaria Municipal de Saúde de Várzea Grande optaram pela adoção de novas medidas restritivas para garantia do isolamento social.

A prefeita Lucimar Campos (DEM) autorizou as novas mudanças e estudos para um eventual lockdown, que seria o fechamento de todas as atividades consideradas não essenciais.

Matéria continua após a publicidade

“Muitos apontam que nós flexibilizamos o funcionamento geral sem regras, o que não é verdade. Tanto que tenho em minhas mãos todos os decretos emitidos e neles sempre houve limitações no número de pessoas que pudessem ser atendidas, como em número de funcionários reduzidos. Portanto, o Poder Público Municipal está cumprindo com seu papel, mas necessitamos que a população nos ajude a combater essa pandemia”, explicou a prefeita.

Lucimar manteve contatos telefônicos com secretários de Estado e de Cuiabá para anunciar novas mudanças no funcionamento e conhecer com mais propriedade as ocupações dos leitos de UTI do Sistema Único de Saúde (SUS).

“Fico preocupada quando vejo que o Estado em seu boletim diário aponta para diversas unidades de saúde desabilitando, adequando ou reduzindo os leitos de UTI do SUS, o que deixa a população em risco, já que, na mesma proporção, os casos internados aumentam em diversas cidades”, disse a prefeita.

Ela citou ainda que ,no Plano de Contingência para o Covid-19, assinado pelo Governo do Estado e pelas prefeituras de Cuiabá e Várzea Grande, as unidades com leitos para atender tal demanda eram o Hospital Metropolitano, o Hospital Estadual Santa Casa de Misericórdia, o antigo Pronto-Socorro Municipal de Cuiabá e o Hospital Municipal São Benedito, também em Cuiabá.

Já o Hospital Pronto-Socorro de Várzea Grande e as UPAS Ipase e Dr. Farid Seror ficaram com a triagem para identificar os casos de Covid e encaminhar para as unidades referências, sendo que para isto precisamos de ter os leitos para atender essas demandas.

O secretário de Saúde, Diógenes Marcondes, reafirmou a necessidades das pessoas que tiverem sintomas de síndrome gripal, procurarem as unidades de saúde para uma primeira avaliação.

“A Covid-19 tem três fases. Uma é leve, que é quando aparecem os primeiros sintomas. Nesta fase, após atendido o paciente vai para o isolamento domiciliar e passa a ser monitorado pela Vigilância Epidemiológica. Se evoluir para a fase moderada, o paciente é reencaminhado para uma unidade de saúde para nova avaliação médica, aonde serão adotadas as medidas necessária que cada caso exigir. Tudo para se evitar a terceira e mais perigosa fase, que é grave, quando o paciente já necessita de internação”,disse.

Marcondes disse que a população pode ajudar a evitar a propagação da doença. Por isso, a importância do isolamento domiciliar com o home office para aqueles que podem e os meios de segurança rigorosos de distância de 1,5 metros entre as pessoas, uso de máscaras continuamente e, quando necessário, luvas, além de água e sabão constantemente para limpeza das mãos e álcool gel para os que necessitarem sair para trabalhar.“

Os únicos setores que, por enquanto, funcionarão 24 horas são as unidades médico hospitalares e as farmácias.

Fonte: Diário de Cuiabá